Swipe left or right
to navigate

Dead Combo

A génese da dupla Tó Trips + Pedro Gonçalves é tão singular como a sua música – os Dead Combo nasceram em 2003, a partir da colaboração dos dois músicos na gravação do tema “Paredes Ambience”, incluído no disco de homenagem “Movimentos Perpétuos – Música para Carlos Paredes”. 

O sucesso dos álbuns da banda é mensurável pelos prémios para “Álbum do Ano”, que colecionaram ao longo dos anos. “Lusitânia Playboys” (2008) arrecadou o título de “Álbum da Década” nas escolhas do Jornal Expresso. “A Bunch of Meninos”, em 2014, foi o favorito do ano para os leitores da revista Blitz; em 2015, o Globo de Ouro para melhor banda confirmou o reconhecimento nacional da carreira da dupla.

O sucesso internacional dos Dead Combo foi em parte catapultado pela participação do duo no episódio lisboeta do programa gastronómico “No Reservations”, de Anthony Bourdain, o que lhes trouxe uma inevitável exposição internacional e lhe valeu a entrada no top 10 dos discos de world music mais vendidos no iTunes norte-americano, mas também pela integração de dois temas na banda-sonora do filme de Hollywood, “Focus”.

Em 2018 lançaram “Odeon Hotel”, com produção de Alain Johannes, num disco a confirmar que hoje os Dead Combo têm um corpo mais vasto. À dupla de amigos Tó Trips e Pedro Gonçalves juntam-se hoje uma potente bateria, mais guitarras e uma secção de sopros. 

Já este ano, editaram um disco ao vivo, uma gravação feita em agosto do de 2018 no festival Vodafone Paredes de Coura, a registar o encontro em palco com Mark  Lanegan no tema “I Know, I Alone”, uma canção em inglês para um poema de Fernando Pessoa.

Nomeações
  • Melhor Álbum
  • Melhor Grupo

Dead Combo