Swipe left or right
to navigate

Mariza

Em menos de doze anos, Mariza passou de um fenómeno local quase escondido, partilhado apenas por um pequeno círculo de admiradores lisboetas, para uma das mais aplaudidas estrelas do circuito mundial da World Music.

Álbum Fado em Mim

Tudo começou com o seu primeiro CD, Fado em Mmim, editado em 2001, que depressa conduziu a numerosas apresentações internacionais de grande sucesso – o Festival de Verão do Québec, em que recebeu o Primeiro Prémio (Most Outstanding Performance), o Central Park de Nova Iorque, o Hollywood Bowl, o Royal Festival Hall, o Festival Womad – e que acabou por lhe conferir o prémio da BBC Rádio 3 para o Melhor Artista Europeu na área da World Music. Fado em Mim era um primeiro álbum entusiasmante, mostrando uma jovem cantora com uma voz cheia e vibrante e um a forte personalidade artística. Cantava ainda vários sucessos do repertório de Amália, mas a sua abordagem à herança da grande diva do fado era já tão pessoal que podia facilmente afastar de si qualquer sugestão de mera imitação. E no seio do seu repertório original Ó Gente da minha Terra, do jovem compositor Tiago Machado, depressa se converteu num enorme sucesso, por direito próprio.

Álbum Fado Curvo

Em 2003 surgiu o seu segundo álbum, Fado Curvo. Era claramente um passo em frente no processo de reforço do seu estilo pessoal e do seu repertório próprio, com a ajuda de arranjos excelentes de Carlos Maria Trindade. Amália estava ainda presente, com a sua emblemática Primavera, sobre poema de David Mourão Ferreira, mas também o estava o cantor de intervenção José Afonso, um ícone da oposição democrática ao regime de Salazar nos anos 60 e 70, e muito do restante material era novo e inspirado. Fado Curvo acabaria por chegar ao 6º lugar na tabela Billboard da World Music e por ganhar o Deustche Schallplattenpreis e o European Border Breakers Awars, atribuído no MIDEM de 2004. As apresentações públicas de Mariza multiplicaram-se, com grandes triunfos pessoais no Royal Festival Hal de Londres, na Alte Oper de Frankfurt, no Théâtre de le Ville de Paris, no Walt Disney Concert Hall de Los Angeles (com a Orquestra Filarmónica de Los Angeles), no Teatro Albéniz de Madrid ou no Teatre Grec de Barcelona. O seu estilo interpretativo deste período pode ver-se no seu DVD Live in London, que contém o seu recital de Março de 2003 na Union Chapel e demonstra bem os seus dotes vocais impressionantes e a sua auto-confiança crescente no palco. Em 2004, juntamente com Carlos do Carmo, seria nomeada pelo Presidente da Câmara de Lisboa Embaixadora da candidatura do Fado à Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade, que viria a ser aprovada pela UNESCO em Novembro de 2011.

Álbum Transparente

2005, ano em que recebeu o Prémio de Melhor Intérprete da Fundação Amália Rodrigues e foi nomeada Embaixadora de Boa Vontade da UNICEF, seria para Mariza um ano particularmente notável no plano artístico, com a saída do seu terceiro CD, Transparente. Neste álbum emergiria uma sua faceta nova e mais madura, tão segura dos seus dotes vocais que podia agora dar-se ao luxo tanto de sussurrar e de cantar baixinho como de demonstrar os seus plenos poderes, construindo o clímax de cada frase de um modo que impressionava pela serenidade e pela inteligência, articulando o texto de uma forma ainda mais expressiva. Soube encontrar a oportunidade para homenagear três grandes fadistas com os quais sente profundas afinidades artísticas e pessoais: Amália, cujo Segredo, de Reinaldo Ferreira e Alain Oulmain, fora o último original lançado em sua vida; Fernando Maurício, recentemente desaparecido, que o público popular de Lisboa aclamava como “O Rei do Fado” e com quem ela própria cantara por diversas vezes no bairro da Mouraria em que ambos viviam; e Carlos do Carmo, cujos conselhos Mariza sempre reconheceu como um importante factor formativo na sua personalidade artística e ao qual se dedicava uma versão muito afectuosa de um dos seus maiores sucessos, Duas Lágrimas de Orvalho. O repertório era agora mais variado, tanto em termos musicas como no plano poético, e apoiava-se em orquestrações extraordinárias de Jacques Morenlembaum. Um CD e um DVD do seu concerto antológico de Lisboa em Setembro de 2005, com o acompanhamento da Sinfonieta de Lisboa dirigida pelo próprio Morenlenbaum, seria lançado em 2006 e constituiria mais um documento a revelar bem esta etapa de maturidade reforçada. Neste mesmo ano receberia das mãos do Presidente da República, Jorge Sampaio, o grau de Comendadora da Ordem do Infante D. Henrique.

Apresentação nos Palcos mais importantes

A carreira de Mariza prosseguiria a partir de então com um sucesso maior do que nunca, com constantes apresentações nos palcos mais importantes do mundo: o Olympia de Paris, a Ópera de Frankfurt Opera, o Royal Festival Hall de Londres, o Le Carré de Amsterdão, o Palau de la Música de Barcelona, a Sydney Opera House, o Carnegie Hall de Nova Iorque, o Walt Disney Concert Hall de Los Angeles – neste último caso com uma cenografia especialmente concebida para o efeito por nada mais nada menos do que Frank Gehry.

Cinema e Televisão

Em 2007 foi uma das estrelas principais do filme Fados, do realizador espanhol Carlos Saura, exibido em quase cem países, e protagonizou o documentário Mariza and the History of Fado, produzido para a BBC pelo crítico musical Simon Broughton, e no ano seguinte participou de forma destacada na primeira série documental da televisão pública portuguesa sobre a História do Fado, Trovas Antigas, Saudade Louca, narrada por Carlos do Carmo sobre guião de Rui Vieira Nery.

Álbum Terra

Também em 2008 surgiu o seu quarto álbum, Terra¸ com direcção musical de José Limón, reunindo o novo repertório que interpretara nas suas digressões mais recentes, com sucessos como Alfama e Rosa Branca e parcerias com Tito Paris, Concha Buika, Ivan Lins e Dominic Miller.

Álbum Fado Tradicional

E 2010 seria o ano de um projecto muito especial, o álbum Fado Tradicional, no qual Mariza reafirmaria a sua ligação à tradição mais autêntica do Fado clássico regressando a alguns dos mais destacados compositores da história do género, como Alfredo Marceneiro, ainda que com uma abordagem interpretativa assumidamente individual e contemporânea. Nesse mesmo ano seria condecorada pelo Governo francês com o grau de Cavaleiro da Ordem das Artes e Letras.

Álbum MARIZA

O seu novo disco de originais – o seu sétimo trabalho de estúdio – chama-se, apenas, Mariza. Porque a sua voz que nunca precisou de gavetas, o seu talento que nunca coube só numa janela, já é suficiente para sabermos que, de Mariza, apenas podemos esperar… Mariza. 

A Mariza que não tem problemas em escolher não um mas dois temas para anteceder o seu novo disco. A fadista que pega na clássica “Trigueirinha” de Jorge Fernando para dela fazer um fado bem repicado e castiço que o baixo tropical e as percussões levam para férias. E a cantora que faz de “Quem Me Dera” de Matias Damásio uma balada acústica em suspensão, arrepiantemente emocionante. 

Não são duas Marizas, tal como a Mariza que, pela primeira vez na sua carreira, escreve a letra de uma das suas canções (“Oração”) não é uma outra Mariza. Mariza é só uma: a voz inconfundível, a intérprete de eleição, de maturidade crescente. A Mariza de Fado em Mim, o álbum que a tornou num fenómeno mundial (foi já há 17 anos, em 2001...), cresceu com cada nova viagem e cada novo regresso, cada nova experiência e cada nova frustração, cada nova aventura e cada novo desafio. 

Os discos seguintes – cinco gravações de estúdio, três registos de palco e uma colecção de êxitos -, os milhões de discos vendidos, os concertos e digressões e honrarias internacionais não afastaram nunca a menina que comovia os vizinhos quando cantava à janela. Mariza cresceu, sim, mas é a mesma Mariza de sempre, que canta porque sim, porque tem de ser, porque tem de cantar. E isso é o que faz de tudo o que Mariza canta Fado. 

Ei-la, por inteiro, em Mariza, misturando os clássicos e os modernos, um pé no passado e outro no futuro, mas sempre com o talento por inteiro, e rodeada por nomes de peso. Nas autorias, velhos cúmplices como Mário Pacheco, Tiago Machado ou Jorge Fernando; novos amigos como Matias Damásio, Heber Marques dos HMB ou Carolina Deslandes. 

Em estúdio, acompanhantes de primeira água como José Manuel Neto e Pedro Jóia, um produtor atento e disposto a levar a sua voz sempre mais longe no espanhol Javier Limón, prosseguindo uma colaboração que chega aqui ao terceiro disco. Convidados de luxo como Maria da Fé e Jaques Morelenbaum – e, numa versão extra de “Trigueirinha” cujas receitas reverterão a favor da Casa do Artista, nomes grandes de todos os espectros musicais como Carolina Deslandes, Mafalda Veiga, Marisa Liz, Jorge Palma, Ricardo Ribeiro e Tim. 

E, acima de tudo, aquela voz, cada vez mais expressiva, cada vez mais maleável, cada vez mais à vontade em tudo o que muito bem lhe aprouver. Aquela voz que já reconhecemos à primeira nota, que nos conquista à segunda frase, que nos arrebata pelo refrão final. É Mariza, de regresso em 2018. É Mariza, por inteiro, inteira, Mariza.

O álbum permaneceria 8 semanas em Nº1 do TOP de vendas e o seu Single “Quem Me Dera” foi já Ouro e o seu vídeo tem mais de 16 000 000 de visualizações em menos de um ano.

Com este seu novo álbum Mariza volta a percorrer os palcos de todo o Mundo.

Conclusão

Nenhum outro artista português desde Amália Rodrigues construiu uma carreira internacional com semelhante sucesso, acumulando êxito após êxito nos palcos mundiais de maior prestígio, referências entusiásticas dos críticos musicais mais exigentes e uma sucessão infindável de prémios e distinções internacionais. Como sempre, os seus parceiros musicais continuam a ser apenas os melhores: Jacques Morelenbaum e John Mauceri, José Merced e Miguel Poveda, Gilberto Gil e Ivan Lins, Lenny Kravitz e Sting, Cesária Évora e Tito Paris, Rui Veloso e Carlos do Carmo. E o seu repertório, embora permaneça firmemente ancorado no Fado clássico e contemporâneo, expandiu-se para incluir mornas cabo-verdianas, clássicos do Rhythm & Blues e quaisquer outras melodias que lhe sejam queridas.

Nos últimos doze anos, Mariza ultrapassou já de muito longe a fase em que poderia constituir apenas um mero episódio exótico na cena da World Music, capaz de ser substituído por qualquer novo fenómeno colorido que aparecesse num outro canto geográfico do mercado da indústria discográfica. Provou ser já uma grande artista internacional, de forte originalidade e de enorme talento, de quem muito há que esperar no futuro. A menina de Moçambique criada no bairro popular lisboeta da Mouraria apropriou-se das raízes da sua cultura musical e converteu-se numa artista universal capaz de se abrir ao mundo sem perder a consciência intensa da sua identidade portuguesa. E o público português é o primeiro a reconhecer o seu triunfo e a pagar-lhe com um amor e uma gratidão sem limites.

Nomeações
  • Melhor Álbum

Mariza