Swipe left or right
to navigate

ProfJam

ProfJam tem vindo a desenhar um dos mais personalizados percursos artísticos no hip hop nacional, tendo afirmado uma postura e uma sonoridade absolutamente singulares que o colocam numa divisão à parte. Em 2018, o rapper de Lisboa já lançou os temas “Yabba” e “Gwapo” (que conta com a participação de Yuzi, um dos artistas da sua Think Music), ambos com assinaláveis performances ao nível de visualizações nas plataformas de streaming.

A internet tem, aliás, sido um dos principais terrenos da afirmação da arte de ProfJam: “Xamã”, outro momento em que o rapper se encontrou com Lhast, aproxima-se já dos 4 milhões de visualizações, enquanto que “Mortalhas”, outra das músicas lançadas em 2017, já leva metade desse número que importa como sinal claro do alcance das suas singulares ideias musicais.

O rapper que começou por dar nas vistas em circuitos paralelos nacionais como a Liga Knock Out, estreou-se em 2014 com a mixtape The Big Banger Theory de onde saiu o clássico “Mambo Nº 1” que contava com a colaboração de Mike el Nite. Mixtakes foi o aplaudido passo seguinte de ProfJam, trabalho unanimente destacado como um dos melhores de 2016 e de onde saiu outro clássico, “Queq Queres”. Artistas muito diversos, como os D.A.M.A., Valas ou L-Ali, têm igualmente feito questão de recrutar ProfJam para alguns dos seus temas, sinal de que as barras deste MC são verdadeiramente energéticas e de largo alcance.

Com uma escrita intrincada, flows complexos e produções que traduzem o presente e o futuro, ProfJam tem cultivado um estilo muito próprio que se tem evidenciado tanto nos seus sucessivos lançamentos como nos palcos que vai pisando de norte a sul do país. A sua presença em cartazes de importantes festivais, como o Meo Sudoeste ou, no ano passado, o Super Bock Super Rock, serve igualmente como prova da sua incrível capacidade de mobilização: ProfJam tem um público fiel e sedento das suas palavras.

E é exactamente essa sede que “Água de Coco” vem saciar: neste novo encontro com Lhast, um dos mais versáteis valores nacionais da produção, ProfJam surpreende com uma escrita cada vez mais elaborada, plena de imaginação, e com um extraordinário vídeo realizado por André Caniços e Miguel C. Saraiva (que resulta de um co-produção entre a Think Music e a produtora Bro) que deixa claro que este é um artista sempre em busca de conceitos inovadores, de formas originais de contar histórias e de passar ideias. 

ProfJam, portanto, elevou aqui a fasquia para o seu próprio trabalho e inaugurou uma nova etapa numa carreira que só tem conhecido sentido ascendente. “Água de Coco” foi o primeiro single retirado do aguardado álbum #FFFFFF, de 2019, que contou com a produção de Lhast.

É o próprio ProfJam que cuida de explicar que, em teoria pelo menos, Lhast poderia não ser o mais indicado dos produtores para si, mas que na prática, os resultados dos encontros entre ambos são sempre extraordinários. Aconteceu logo em “Xamã”, um dos hinos do MC de Telheiras, lançado em finais de 2016. A dupla voltou a cruzar-se em “Imagina”, som de Valas apresentado em 2017. E com o tremendo sucesso de “Água de Côco” – o vídeo caminha a passos largos para os 10 milhões de visualizações! – quaisquer dúvidas que pudessem subsistir dissiparam-se.

“Tou Bem” foi por isso mesmo o passo seguinte, tema em que Lhast assina o beat e o gancho do refrão, afirmação da felicidade e do bom caminho que ambos os artistas encontraram e agora percorrem.

Último capítulo antes da abertura definitiva do livro? “À Palavra”, a primeira música do alinhamento de #FFFFFF, que começa assim: “Só dou à palavra o que eu sei”, garante o artista, num tema de progressão lenta, carregado de auto-tune, em que à estética junta-se o conteúdo, com ProfJam a dominar as palavras, como um fotógrafo domina a luz, como um ginasta domina os músculos, superando marcas, superando-se a si mesmo.

Este é o primeiro tema de um alinhamento recheado de bangers. #FFFFFF tem uma história para contar, feita de cores e nuances, feita de sons e palavras, feita de flows e de segundos e terceiros significados. “Só dou à palavra o que eu vejo”, explica o rapper. E com ele, vemos todos nós.

Agarrem-se então à palavra e prestem atenção ao que se segue...

Nomeações
  • Melhor Videoclipe
  • Vodafone Melhor Canção

ProfJam